artigo

10 articles tagged as artigo

Sse há um jeito fácil e um difícil de realizar determinada atividade, existe algum motivo para escolher o mais difícil? De acordo com o escritor especialista em Marketing, Seth Godin, sim. Tentar o caminho mais complicado, de vez em quando, pode ajudar a melhorar o nosso método de trabalho e nos tornar mais eficientes.

Segundo Godin, colocar limites artificiais em uma tarefa permite iluminar onde estão os pontos fracos e consertá-los. Quando voltamos à atividade pela maneira mais fácil, o processo será ainda mais simples.

Leia mais →

Oo segredo para ler muito e ler rápido é saber o que não ler. E saber desistir de certos livros.

E acredite em mim, eu sei o quanto isso é difícil. Nós, que amamos livros, sentimos uma espécie de obrigação moral para terminar todos os que começamos. Mesmo que a leitura seja completamente errada para nós naquele momento. A culpa toma conta, sentimos vergonha por querermos abandonar um livro. E se a leitura melhorar algumas páginas depois?

Ler deve ser uma atividade prazerosa, um entretenimento, e não uma obrigação tediosa (a não ser quando é, de fato, uma obrigação. Ignore o post nesse caso). Ainda que estejamos lendo para nos aprimorar em determinada área, se a leitura não flui bem, muito provavelmente a culpa é do livro, e não nossa. E está tudo bem. Não tem problema.

Pare de ler livros de que não gosta. Abandone leituras que considera chatas.

Leia mais →

Ddar o primeiro passo pode ser a parte mais difícil de um projeto.

Começar algo diferente provoca medo, um medo que pode nos paralisar. E sucumbir a ele é horrível — significa que já falhamos, porque ninguém vai nos ler, nos ouvir, nos ver.

O negócio é que precisamos investir nas nossas ideias idiotas.

Leia mais →

Aa ficção fantástica tornou-se mais complexa com o tempo. No começo, tudo era simples — o herói enfrentava um monstro e havia algum tipo de magia na história, seja na forma de deuses, poderes ou do próprio monstro.

A fantasia evoluiu não só na complexidade da trama, mas também no gênero. Hoje, temos milhares de histórias híbridas, que misturam vários gêneros com o fantástico, alguns até difíceis de separar, como o steampunk.

Leia mais →

O post contém spoilers da primeira temporada de Demolidor

Ffiquei impressionado com a série do Demolidor, da Netflix. A violência poética, os personagens, o enredo, a construção do herói… são tantas partes impecáveis e elogios que fica difícil escolher uma só. A série só evidencia o quanto o filme de 2003 foi ruim (mas com uma ótima trilha sonora, pra quem não conhece).

Mas o que mais me chamou a atenção não foi só a violência que, sinceramente, depois de um tempo, começa a perder o impacto. Especialmente depois da cena impecável e sem cortes do segundo episódio, cheia de socos, chutes e piruetas na parede.

Leia mais →

Mmuitas comparações são feitas entre J.R.R. Tolkien, criador da Terra-Média, e George R.R. Martin, criador de Westeros. Algumas delas sem sentido nenhum, com fatos completamente fora de contexto.

Devido ao gênero literário e ao sucesso dos dois, as comparações são inevitáveis. O próprio Martin já disse várias vezes que o autor britânico foi grande inspiração para seus trabalhos.

Apesar das semelhanças, há uma diferença fundamental entre eles.

Pra mim, Tolkien é ordem, e Martin é caos.

Leia mais →

Eem tempos de homofobia, machismo, racismo e fanatismo político, autores de ficção frequentemente são acusados de praticar e apoiar certos comportamentos preconceituosos, e até criminosos, por causa das histórias que criam. Seja na literatura, no cinema, no videogame ou em qualquer outro meio.

Leia mais →

discworld, a cor da magia, terry pratchett

É meio irônico que um de meus ídolos e autor favorito, Terry Pratchett, tenha falecido no ano em que publicarei meu primeiro livro. Ele foi a inspiração para eu começar a escrever. Se a vida é engraçada, como dizem, a morte é uma daquelas conhecidas chatas, que você encontra em uma festa e nunca sabem quando parar de contar piadas de gosto duvidoso.

Há 13 anos, conheci a voz de Pratchett. Desde aquele dia, jamais parei de ler sua obra . Jamais deixei de aprender e me inspirar com ele. O nome Pequenos Deuses é uma pequena homenagem ao gênio e um de seus livros que mais gostei, Small Gods.

Leia mais →

leitura, qualidade de vida, ficção, curiosidade, empatia

Eesse é o resumo de um artigo muito interessante do Lifehacker. De acordo com o autor, algumas pesquisas científicas e teorias de filósofos e ensaístas demonstram que ler ficção pode aumentar nossa qualidade de vida, independentemente da nossa personalidade. Apesar de alguns dos efeitos da leitura no cérebro ainda serem incertos, muitas vantagens já estão bem definidas.

Leia mais →