Eem certos momentos da minha jornada de escrita, eu hesito. Às vezes durante um trabalho em andamento, às vezes antes mesmo de começar a escrever.

Tudo estava indo bem, mas de repente as coisas parecem desandar.

Minha mente se transforma em um vórtice de medo, sugando e acumulando todos os tipos de pensamentos negativos.

  • E se meu livro não for bom o bastante?
  • E se ninguém gostar do meu estilo?
  • E se as pessoas me interpretarem mal?
  • E se…

O medo é poderoso

Ele procura sempre nos manter no nosso lugar. Quer que sejamos calmos, quietos e pequenos. Odeia quando arriscamos, sonhamos e mudamos.

Algumas vezes damos um passo na direção certa, em um jorro de determinação, depois outro passo adiante…

É aí que o medo mais gosta de atacar e nos colocar pra baixo.

Talento x Coragem

Enquanto o talento e a sorte podem impulsionar qualquer escritor, nenhuma habilidade é tão útil quanto a coragem de escrever todos os dias, de terminar o livro que está na metade, de encarar uma rejeição.

Talento ajuda a escrever um livro bom. Coragem ajuda a escrever.

O escritor mais talentoso do mundo que não termina um livro não se compara ao escritor mediano que acumula palavra por palavra, dia após dia, até o fim, mesmo com dúvidas.

Tudo que podemos fazer é ter persistência e dar o nosso melhor. Se você acha que não tem talento, compense com coragem e perseverança de escrever e aprender.

Lidando com o medo

Não quero dar uma de psicólogo barato nem passar a impressão de que sei todas as respostas, muito pelo contrário. Ainda estou aprendendo e faço questão de compartilhar o que assimilo. Esse é apenas o meu ponto de vista. Fique à vontade para discordar ou ignorar.

1. Dê um nome

Eu acho que quando identificamos do que, exatamente, temos medo, ele se torna mais fácil de ser superado. O desconhecido nos assusta. Quando lidamos apenas com O Medo, genérico e inalcançável, é mais provável que ele nos derrote.

Do que você tem medo? De encarar a página em branco todos os dias e não conseguir criar nada? De não escrever uma boa história? De terminar o livro e colocá-lo diante dos olhos do mundo? De ouvir um “Não gostei”? De ser rejeitado por editoras? De não vender?

Identifique o monstro e tire parte de seu poder.

encontre aliados

2. Encontre aliados

Observação: Isso é algo que recomendo com cautela. Primeiro porque muita gente gosta de delimitar regras sobre como escrever um livro, capítulo, conto, etc. Lembre-se de que não há regras, há o que funciona para você. Segundo porque as pessoas, muitas vezes, tendem a mostrar o seu pior lado online. Você pode ser alvo de humilhações, críticas cujo único objetivo é ofender, conselhos que te deixarão ainda mais longe do que deseja alcançar, inveja de colegas escritores, e por aí vai. Enquanto eu, felizmente, não passei por essas situações lamentáveis, basta procurar e encontrar as histórias absurdas de alguns escritores que já passaram e ainda passam por isso. Pense com cuidado sobre com quem dividir essa parte da sua vida.

Escrever é uma atividade solitária, mas não precisa ser. Você pode encontrar aliados para a jornada do escritor. A vida é um RPG, e enquanto é possível vencer solo, dividir o fardo com outros personagens torna o jogo mais fácil e divertido. Dividir suas frustrações e dificuldades com quem também passa por elas pode ser uma alavanca válida para superar obstáculos.

Acredito que seja natural começar procurando essa companhia com a família e amigos. Eles, entretanto, nem sempre entendem o caminho que estamos percorrendo. É normal. As pessoas têm medo da mudança, às vezes porque se preocupam com você, às vezes porque se preocupam com elas, e de como elas serão menos necessárias, ou como a busca pelos seus sonhos as lembrarão das frustrações delas.

Se família e amigos próximos não são opções, encontre comunidades online ou grupos da sua cidade que fazem parte do seu interesse. Das comunidades online, recomendo:

Clube de Autores de Fantasia – grupo do Facebook onde autores iniciantes e experientes conversam sobre escrita, literatura e demais assuntos do gênero fantástico. Leitores também são bem-vindos. O grupo fomenta ótimas discussões todos os dias. Todo mundo educado e com vontade de ajudar.

NaNoWriMo – escritores e aspirantes de todo os países reúnem-se para escrever um livro em 30 dias. Fóruns cheios de dicas, suporte, inspiração e um grande clima de “É possível, vambora!”.

Vórtice Fantástico – projeto de Clubes de Leitura pelo Brasil inteiro, para discussão de obras, autores e mundos de fantasia e ficção científica. Basta procurar pelo Clube da sua cidade e se inscrever (ou organizar um Clube local). Vale lembrar que é gratuito. Ainda não participo, mas o projeto parece ser bacana e bem organizado, então recomendo.

3. Escreva com medo

O melhor antídoto para o medo é encará-lo. Sinta o medo de escrever, ou o medo do que quer que seja, e continue mesmo assim.

Dê um passo pequeno, não importa o quanto, e depois outro. Continue. O medo é parte recorrente da escrita. Ele volta quando você menos espera, alimentando-se da insegurança.

Escreva mesmo assim. Faça o melhor que puder e chegue até o final da história.

Deixe o medo ser a certeza de que está fazendo algo que vale a pena.